Sob o meu o nosso peso de Zélia Monteiro

[música original para espetáculo de dança]


Zélia Monteiro, Concepção, coordenação do projeto e criação da dança - Alain Michon, Direção e realização da criação sonora - Felipe Merker Castellani, Sonorização e criação sonora - Marcos Yoshi, Vídeo - Hernandes de Oliveira, Iluminação - Joana Porto, Figurino - Valéria Cano Bravi, Orientação dramatúrgica - Toshi Tanaka, Preparação corporal - Beto Mainieri, Colaboração artística - Marcos Calli, Colaboração no processo de construção simbólica imaginária

 

Sob o meu, o nosso peso: Memória na Vila Maria Zélia dá continuidade à pesquisa sobre a improvisação abordada como produto cênico e forma de composição, que Zélia Monteiro pesquisa há mais de 20 anos. O ambiente de pesquisa e encenação escolhido para esta Residência Coreográfica foi a Escola de Meninas, que faz parte das ruínas da Vila Maria Zélia, vila operária localizada no bairro do Belenzinho, em São Paulo. Esse local, habitado por um passado ligado à história pessoal da artista – seus bisavós idealizaram e construíram a vila operária – e também à história da cidade de São Paulo, deflagra memórias individuais e coletivas, que ali se reúnem e se atravessam. O tempo presente e passado são o suporte para a dança. O corpo, portador do que permanece na realidade do presente, resgata e revela no gesto dançante a memória contida nas ruínas. Reinaugura sentidos. Mantém vivo o fluxo do vivido.

Sob o meu, o nosso peso foi ganhador do Prêmio Denilto Gomes da Cooperativa Paulista de Dança, na categoria melhor Solo de Improvisação.

Espaces d'interaction

[composição para dois percussionistas, live electronics e vídeo]


Alessandra Bochio, Vídeo - Felipe Merker Castelani, Composição e live electronics

 

Espaces d’interactions é baseada em uma abordagem “granular” dos meios audiovisuais, apresentada tanto na construção das morfologias sonoras, geradas pela escrita instrumental ou pelo tratamento eletroacústico em tempo real, quanto nos processos interativos aplicados aos materiais visuais. O fluxo temporal é marcado por uma sucessão de ciclos de transformações, aplicados às diversas texturas musicais granulares.

Espaces d’interactions foi estreada em 2014 no concerto do Atelier de Composition de Paris 8 realizado na Université Paris 8 e no Instituto Cervantes de París; organizado por Anne Sèdes, Alain Bonardi et José Manuel Lopez-Lopez.

[topo]

Miroirs

[performance audivisual]

Miroirs é um conjunto de performances que concretizam um mesmo campo problemático, a busca pela convergência entre diferentes meios de expressão artística, a qual é apresentada em diferentes níveis: entre o mundo instrumental e o eletroacústico, entre o sonoro e o visual, ou, ainda, entre a composição e a improvisação. Podemos igualmente destacar outros pontos centrais presentes na abordagem, tais como: a adoção de uma dinâmica de criação coletiva e colaborativa, e a compreensão da obra artística como uma rede de interações.

Miroirs I

Alessandra Bochio, Vídeo - Felipe Merker Castellani, Live electronics - Rogério Costa, Saxofone


Miroirs I foi estreada em 2014 no evento “Modes de jeu” realizado na Université Paris 8 e organizado por Anne Sèdes (CICM, Paris 8) e Fabien Cailleteau (Conservatoire de musique et danse de St-Denis).

Miroirs II

 

Alessandra Bochio e Olga Ogorodova, Vídeo - Felipe Merker Castellani, Live electronics- Fabien Cailleteau, Piano

 

Miroirs II foi estreada em 2014 no evento “Modes de jeu” realizado na Université Paris 8 e organizado por Anne Sèdes (CICM, Paris 8) e Fabien Cailleteau (Conservatoire de Musique et Danse de St-Denis).