Felipe Merker Castellani (São Paulo, SP, 1984)

 

É compositor, artista multimídia, pesquisador e professor. Suas pesquisas práticas e teóricas atuais têm como campo problemático a criação musical em relação a outras práticas artísticas, como o vídeo e a dança, especificamente em contextos de criação coletiva e colaborativa. Desenvolve instalações interativas, videoinstalações e performances audiovisuais em parceria com artistas de diversas áreas, como a artista visual Alessandra Bochio, os músicos Rogério Costa e Alexandre Zamith, a bailarina Zélia Monteiro, a performer Leticia Sekito, dentre outros.

É mestre e doutor em música na área de Processos Criativos junto ao Instituto de Artes da Unicamp, e bacharel em composição musical pela Faculdade Santa Marcelina. Entre 2013 e 2014 realizou estágio de pesquisa no Centre de recherche Informatique et Création Musicale (CICM), Université Paris 8/ Maison des Sciences de l'Homme Paris Nord. Entre 2017 e 2018 realizou estágio de Pós-doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Participou de eventos nacionais e internacionais dedicados à criação artística experimental, como o Festival Música Nova, o Encontro Internacional de Música e Arte Sonora, o Sonorities Festival (Belfast, Irlanda do Norte), o Festival Sonoimágenes (Buenos Aires, Argentina), a Mostra Arquinterface (Galeria de Arte do Sesi-SP), o Programa de Exposições Individuais do Centro Cultural São Paulo, a Mostra Labmis 2016 (MIS-SP), dentre outros.

É membro do Grupo de Pesquisas em Estudos de Gênero, Corpo e Música (IA-UFRGS); do Grupo de Estudos Extremidades: redes audiovisuais, cinema, performance e arte contemporânea (PUC-SP), Grupo de Pesquisas Escritas e Invenção Musicais (ECA-USP), do coletivo NME e do grupo de improvisação audiovisual Entremeios.

​Atualmente é professor adjunto do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).